Archive for the ‘Vida’ category

DÁ VONTADE DE RIR…

Agosto 2, 2009

Daria vontade de rir… não fora tão trágico!

O governo do PS, que promoveu o aborto em Portugal, que enganou tantos portugueses, na altura do referendo sobre o aborto, servindo-se da ardilosa falácia de que o que estava em causa era evitar penas de prisão para as mulheres que abortassem, induzindo, assim, muitos e muitos a votarem a favor do astucioso engano… vem, agora, em mais uma manobra da habitual propaganda, fazer a promessa da “oferta” de 200 euros pelo nascimento de uma criança!

Magnânimos governantes! Mesmo descontando a hipocrisia do anúncio da medida, com 200 euros os pais fazem o quê…?!

Mas, mais insólito ainda – pasme-se! – é que… o dinheiro só poderá ser levantado quando os contemplados atingirem a maioridade, ou seja, aos 18 anos…!!!

E se os bancos cobrarem as taxas (despropositadas), que actualmente praticam, de manutenção de contas, é óbvio que, passados poucos anos, nenhum dinheiro estará na conta dos bebés…! Aliás, estarão os pais em dívida para com os bancos…!

Esta medida, agora apresentada pelo PS, roça, pois, a hipocrisia mais retinta. Característica, aliás, destes senhores, que, à falta de boas ideias e melhores soluções para os problemas do País – e servidos por gente inepta e sem princípios, como todos os dias se comprova à saciedade – se limitam a insistir por sistema na mentira e na trapaça mais sórdida… Estarão mesmo convencidos de que somos todos parvos…?!

Reles vergonha, a mais despudorada, esta propaganda deste governo! Então querem incentivar a natalidade… com a oferta de 200 euros aos pais dos bebés…?!

Se realmente este governo quisesse incentivar, a sério, a natalidade, tomaria a medida mais simples e mais barata: alterava de imediato a lei do aborto!

Todas as campanhas de propaganda, que passem ao lado desta medida tão simples, constituem pura e reles demagogia!

Anúncios

VERGONHA!

Julho 27, 2009

Dos jornais:

“A esquerda parlamentar uniu-se na recusa da suspensão da Lei do Aborto apresentada pelo Movimento Portugal Pró Vida e defendida por mais de cinco mil peticionários, com as bancadas do PS, BE e PCP a deixarem duras críticas ao tipo de linguagem utilizada no documento”.

Vejamos qual foi o tipo de linguagem que ofendeu a fina sensibilidade dos srs. deputados. Chamar as realidades pelo seu nome: “é preciso parar quanto antes com a matança dos inocentes”; “abortar é o mesmo que matar”; “condenar à morte um ser humano indefeso é a vilania das vilanias; “Um dia este país julgará em tribunal isento os autores da legislação que viabilizou tal infanticídio. Ou será que a teriam aplicado às suas próprias mães?”…

Estas verdades incomodaram ao que parece, vivamente, os tímpanos dos srs. deputados…

Uma sra deputada do PS sentiu-se até tão ressentida que afirmou que tal petição não merecia ser discutida em tão magno forum… !

Esta tomada de posição, para mais partindo de uma mulher (depositária do dom da vida… porque a sua mãe não a abortou…), traduz bem o estado de degradação moral a que Portugal chegou!

Valerá a pena perguntar à preclara deputada quais são as magnas questões que merecem a honra de ser discutidas na Assembleia da República. Só as que contemplam matérias que interessam ao partido do governo? Ou seja, para esta sra. Deputada a Assembleia não é do Povo, mas um feudo privado deste governo, onde só devem ser tratados os assuntos que não incomodem os srs. deputados do partido maioritário… (mais…)

Inacreditável!

Fevereiro 16, 2009

PS considera uma honra ter promovido a legalização do crime do aborto

No passado dia 12 de Fevereiro perfez um ano a nefanda vitória do «sim» no referendo sobre a “despenalização” (um eufemismo que o governo utilizou para esconder a tremenda falácia com que enganou o Povo Português) do aborto.

Assinalando a “gloriosa” efeméride, uma senhora, por certo, distinta deputada do PS, Ana Catarina Mendes (será mãe?) exarou a seguinte declaração política, no local onde se reúnem os alegados representantes do Povo:

«A lei aprovada a 17 de Abril na Assembleia da República é uma das que mais se destaca na X legislatura e uma das que mais honra o PS».

Com personalidades de tão elevado recorte moral, que mais poderemos esperar senão que Portugal vá caminhando, cada vez mais rapidamente, para o abismo…?!

Qual será o conceito de honra desta senhora deputada…?!

Assim vai o negócio do assassínio de bebés inocentes…

Abril 11, 2008

Transnacional anti-vida obteve lucros de 112 milhões de dólares com abortos em apenas um ano

 

WASHINGTON DC, 04 Abr. 08 / 07:00 pm (ACI)

 

A agência “LifeSiteNews.com” deu a conhecer o relatório anual 2006/2007 da organização abortiva “Planned Parenthood Federation of America” (PPFA).

 

Segundo este documento, o grupo realizou neste período 289.650 abortos e obteve lucros de 112 milhões de dólares.

 

Com estas cifras, a PPFA superou os abortos realizados em 2005, e os 55,7 milhões de dólares de lucros que obteve nesse mesmo ano.

 

O relatório também assinala que a transnacional recebeu do governo dos Estados Unidos 336 milhões de dólares em recursos para as suas actividades abortivas.

 

Esta contribuição do governo continuou, apesar dos diversos escândalos em que se viu envolvida a PPFA em várias zonas do país. Em 2002, o grupo pró-vida “Life Dynamics” denunciou como os conselheiros das clínicas abortivas do PPFA insistiam em ocultar a idade dos companheiros sexuais de jovens grávidas, para não ter que denunciá-los diante das autoridades por violação.

 

O relatório anual da PPFA inclui na sua última página que esta organização abortiva foi fundada por Margaret Sanger em 1916, como a primeira clínica de controlo de nascimentos nos Estados Unidos.

 

Fonte: ACI digital

 

 Três breves comentários:

 

 1. Será que toda esta gente – médicos(?!) incluídos – dorme sossegada, depois de um dia de “trabalho” a mutilar e a matar impiedosamente estes pequeninos e indefesos seres humanos… filhos de Deus e seus irmãos … ?

2. O último parágrafo da notícia espelha bem a capa com que se envolve e disfarça com abjectos eufemismos a verdade horrorosa acerca do aborto!

3. Que pensarão os nossos governantes – que tanto incentivaram ao voto no sim ao aborto – ao lerem (será que lêem?) estas notícias ou outras semelhantes?

Não soube do mundo

Fevereiro 29, 2008

Com a devida vénia, transcrevemos do blogue do nosso querido amigo Professor Felipe Aquino, este belíssimo e comovente poema sobre os bebés que não chegam a conhecer o mundo – vítimas dos abortistas…

SEM NOME    (NÃO SOUBE DO MUNDO)

Era tão pequeno, que ninguém o via.
Dormia sereno enquanto crescia.
Sem falar, pedia – porque era semente –
Ver a luz do dia
Como toda a gente…

Não tinha usurpado a sua morada.
Não tinha pecado; não fizera nada.
Foi sacrificado enquanto dormia;
Esterilizado com toda a maestria.

Antes que a tivesse, taparam-lhe a boca;
Tratado, parece, qual bicho na toca,
Não soltou vagido, não teve amanhã;
Não ouviu “Querido”…Não disse “Mamã”…

Não sentiu um beijo; nunca andou ao colo;
Nunca teve o ensejo de pisar o solo;
Pezito descalço, andar hesitante,
Sorrindo no encalço do abraço distante.

Nunca foi à escola, de sacola ao ombro,
nem olhou estrelas com olhos de assombro.
Crianças iguais à que ele seria,
Não brincou com elas, nem soube que havia.

Não roubou maçãs, não ouviu os grilos;
Não apanhou rãs nos charcos tranquilos.
Nunca teve um cão, vadio que fosse,
A lamber-lhe a mão à espera do doce.

Não soube que há rios e ventos e espaços,
E invernos e estios, e mares e sargaços;
E flores e poentes, e peixes e feras
-as hoje viventes e as de antigas eras.

Não soube do mundo: não viu a magia.
Num breve segundo, foi neutralizado
Com toda a maestria, com as alvas batas,
Máscaras de entrudo, técnicas exactas.

Mãos de especialistas
negaram-lhe tudo
( o destino inteiro…)
– porque os abortistas
nasceram primeiro.

Renato de Azevedo

Digam a verdade às mães

Agosto 5, 2007

MOSTREM-LHES O QUE É UM ABORTO

Lançamos um alvitre ao governo, que é também um repto.

E a proposta mais não consubstancia do que convidar o Ministério da Saúde a prestar  o mínimo dos esclarecimentos que devem ser feitos às mulheres que pretendem fazer um aborto, sem motivo justificado, até às 10 semanas, ou seja:
que, nas consultas de aconselhamento (que também devem ser obrigatórias) lhes sejam mostradas fotos ou um vídeo de um aborto praticado a bebés com essa idade.

Depois, as grávidas poderão livremente decidir se querem matar de forma tão cruel e desapiedada o filho que trazem no ventre, e que Deus lhes deu.

Parece-nos que muitas mulheres que se submetem docilmente ao aborto – certamente porque quem as aconselha lhes esconde a verdade e o horror da operação – não fazem a mais pequena ideia do que estão a cometer, e do que lhes (a ela e ao filho) estão a fazer.

Se a mulher que quer abortar (ou a quem é incutido que aborte) tivesse uma pálida ideia que fosse, do medonho e pavoroso acto, se visse as imagens de um bebé trucidado e desfeito… .. se lhe fosse permitido perceber os infames e vis interesses da diabólica fauna dos abortadores… então, de certeza, que seria a própria mãe a repelir, a fugir, horrorizada, dessas personagens abjectas e vampirescas que não têm pejo de se afirmar médicos e profissionais da saúde (?!!!)…

Mostrem à mulher o que é um aborto – que não é uma ficção, ou um pesadelo, mas uma realidade cruel e angustiante. Que a vai deixar marcada para toda a vida, que a vai fazer sofrer todos os dias da sua vida. Digam-lhe a verdade. Não lhe escondam nada.

Digam a verdade às mulheres, aliciadas para o aborto: que estão a matar o seu próprio filho, no seu próprio ventre! Que é o acto mais bárbaro que existe à face da terra!

Digam às mães que não se deixem enganar pela voz asquerosa e melíflua desses verdugos repugnantes, sedentos do vil metal, que assassinam bebés inocentes para se locupletarem com o dinheiro ensanguentado, extorquido, da forma mais repugnante e miserável, a mães e famílias ingénuas ou diminuídas no seu poder de decisão pelo sofrimento ou circunstâncias adversas das suas vidas.

Como é possível que os servidores da vida (foi assim que o juraram sob a égide de Hipócrates), que deveriam ser autênticos missionários, se transformem em senhores da morte, e se disponham a servir-se das mãos e da inteligência que Deus lhes deu para praticar o mais pavoroso dos crimes – matar os mais lindos seres da Criação Divina, as dávidas de nosso Pai à Humanidade …?! 

Digam a verdade às Mães!

Luto em Portugal – A Lei da Vergonha Nacional

Julho 16, 2007

Inicia-se luto nacional.

Quantos bebés foram já triturados, desde ontem (a lei entrou em vigor num Domingo, o dia do Senhor), pela “máquina da morte” ?
Quantos sacos, com os restos desses pequeninos seres vivos que uma lei abjecta e miserável matou, foram até agora deitados ao lixo…? 

Com o apoio e o estímulo do governo da República, as mulheres portuguesas, “acederam” – segundo proclamam tais governantes – à plenitude do regime “democrático”, ou seja, a poder requerer que as instâncias oficiais lhes matem impunemente os seus filhos, bastando-lhes, para tanto, respeitar as específicas condições estabelecidas no diploma legal que as incita ao acto – circunstâncias já bastamente conhecidas, por tão propagandeadas.

É do domínio público que, de acordo com indicadores mais ou menos oficiais, Portugal vem a arrastar-se na cauda da União Europeia em termos económicos, sociais e outros.
Contudo, a partir de agora, na opinião dos promotores e fazedores do dito normativo legal, graças à sua implementação, os portugueses passam, automaticamente, a integrar o grupo dos países mais “avançados”…
Como é previsível, tal “façanha”, trará certamente ao nosso País grandes benefícios, por virmos a ser considerados exemplo de “modernidade e progresso”…

A barbárie instalou-se oficialmente em Portugal. Estamos de LUTO.