Não soube do mundo

Com a devida vénia, transcrevemos do blogue do nosso querido amigo Professor Felipe Aquino, este belíssimo e comovente poema sobre os bebés que não chegam a conhecer o mundo – vítimas dos abortistas…

SEM NOME    (NÃO SOUBE DO MUNDO)

Era tão pequeno, que ninguém o via.
Dormia sereno enquanto crescia.
Sem falar, pedia – porque era semente –
Ver a luz do dia
Como toda a gente…

Não tinha usurpado a sua morada.
Não tinha pecado; não fizera nada.
Foi sacrificado enquanto dormia;
Esterilizado com toda a maestria.

Antes que a tivesse, taparam-lhe a boca;
Tratado, parece, qual bicho na toca,
Não soltou vagido, não teve amanhã;
Não ouviu “Querido”…Não disse “Mamã”…

Não sentiu um beijo; nunca andou ao colo;
Nunca teve o ensejo de pisar o solo;
Pezito descalço, andar hesitante,
Sorrindo no encalço do abraço distante.

Nunca foi à escola, de sacola ao ombro,
nem olhou estrelas com olhos de assombro.
Crianças iguais à que ele seria,
Não brincou com elas, nem soube que havia.

Não roubou maçãs, não ouviu os grilos;
Não apanhou rãs nos charcos tranquilos.
Nunca teve um cão, vadio que fosse,
A lamber-lhe a mão à espera do doce.

Não soube que há rios e ventos e espaços,
E invernos e estios, e mares e sargaços;
E flores e poentes, e peixes e feras
-as hoje viventes e as de antigas eras.

Não soube do mundo: não viu a magia.
Num breve segundo, foi neutralizado
Com toda a maestria, com as alvas batas,
Máscaras de entrudo, técnicas exactas.

Mãos de especialistas
negaram-lhe tudo
( o destino inteiro…)
– porque os abortistas
nasceram primeiro.

Renato de Azevedo

Explore posts in the same categories: Aborto, Poesia, Vida

3 comentários em “Não soube do mundo”

  1. M.Alonzo Says:

    Belo poema!
    Retrata de forma dramática e comovedora o horror do aborto!
    A forma tão cruel de eliminar uma vida nascente, tão
    cheia de esperança de vir ao mundo!
    Como podem médicos (?!) dormir descansados, depois
    de assassinarem e mutilarem barbaramente, bebés indefesos…?!!!

  2. Hilda Says:

    No hablo portugués, pero creo que capté las ideas de este poema. Gracias por compartirlo. Es terrible que le quitemos a un ser la posibilidad de ir a la escuela, de ver las flores, de tener estaciones, etc. Todas aquellas cosas que quienes sí pudimos nacer, podemos disfrutar. Ojalá se detenga esta barbarie.
    Saludos. Hilda


  3. Caríssimos:
    Sinto-me lisonjeado pela transcrição e comentários, para que fui advertido por pessoa amiga.
    O poema tem por título “Sem Nome” e tenho a necionalidade portuguesa. Lisonjeado me sentiria igualmente se brasileira…
    Cumprimentos.
    Renato de Azevedo


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: