Arquivo de Fevereiro 2008

Não soube do mundo

Fevereiro 29, 2008

Com a devida vénia, transcrevemos do blogue do nosso querido amigo Professor Felipe Aquino, este belíssimo e comovente poema sobre os bebés que não chegam a conhecer o mundo – vítimas dos abortistas…

SEM NOME    (NÃO SOUBE DO MUNDO)

Era tão pequeno, que ninguém o via.
Dormia sereno enquanto crescia.
Sem falar, pedia – porque era semente –
Ver a luz do dia
Como toda a gente…

Não tinha usurpado a sua morada.
Não tinha pecado; não fizera nada.
Foi sacrificado enquanto dormia;
Esterilizado com toda a maestria.

Antes que a tivesse, taparam-lhe a boca;
Tratado, parece, qual bicho na toca,
Não soltou vagido, não teve amanhã;
Não ouviu “Querido”…Não disse “Mamã”…

Não sentiu um beijo; nunca andou ao colo;
Nunca teve o ensejo de pisar o solo;
Pezito descalço, andar hesitante,
Sorrindo no encalço do abraço distante.

Nunca foi à escola, de sacola ao ombro,
nem olhou estrelas com olhos de assombro.
Crianças iguais à que ele seria,
Não brincou com elas, nem soube que havia.

Não roubou maçãs, não ouviu os grilos;
Não apanhou rãs nos charcos tranquilos.
Nunca teve um cão, vadio que fosse,
A lamber-lhe a mão à espera do doce.

Não soube que há rios e ventos e espaços,
E invernos e estios, e mares e sargaços;
E flores e poentes, e peixes e feras
-as hoje viventes e as de antigas eras.

Não soube do mundo: não viu a magia.
Num breve segundo, foi neutralizado
Com toda a maestria, com as alvas batas,
Máscaras de entrudo, técnicas exactas.

Mãos de especialistas
negaram-lhe tudo
( o destino inteiro…)
– porque os abortistas
nasceram primeiro.

Renato de Azevedo

“Balanço”

Fevereiro 15, 2008

Um ano depois do “sim” à IVG, os socialistas fazem balanço…

O PS assinalou ontem a passagem do primeiro ano sobre a vitória do ‘sim’ no referendo sobre a despenalização do aborto, considerando que a nova lei é uma das iniciativas que mais honra os socialistas. “A lei aprovada a 17 de Abril na Assembleia da República é uma das que mais se destaca na X legislatura e uma das que mais honra o PS”, afirmou a deputada do PS, Ana Catarina Mendes, numa declaração política no plenário da Assembleia da República. 

Fazendo uma “avaliação preliminar” da nova lei, Ana Catarina Mendes recordou que, de acordo com os dados disponíveis, entre 15 de Julho e o final de Dezembro de 2007, realizaram-se 6099 abortos. Porém, mais do que comentar os números, a deputada quis sublinhar que é importante reconhecer que a despenalização da interrupção voluntária da gravidez (IVG) nas primeiras dez semanas foi uma “opção política de significado filosófico claro e não susceptível de ser diminuída pelos números”.

Numerosos são aqueles que poderiam filosofar sobre esta matéria…
E claro está que este vergonhoso “balanço” é próprio de quem não tem um pingo de moral, não sabe o que são valores, e muito menos o que é a dignidade humana!