Consequências psicológicas para a mulher que aborta

O aborto é tão contrário à ordem natural das coisas, que, automaticamente, induz uma sensação de culpa.

Quais são os problemas que uma mulher que provocou o aborto deve encarar? Antes de tudo e principalmente, a necessidade de enfrentar a realidade de ter provocado um aborto.

A verdade é que, quando uma mulher aceita submeter-se a um aborto, ela concorda em assistir à execução de seu próprio filho. Esta amarga realidade que ela tem que encarar, é exactamente o oposto do que a família e a sociedade espera da mulher: que seja paciente, amorosa e maternal. Isso também vai contra a realidade biológica da mulher, que é preparada especialmente para gerar e cuidar de seu filho ainda não nascido.

Assumir o papel de “matadora”, particularmente de seu próprio filho, sobre o qual ela própria reconhece a responsabilidade de proteger, é extremamente doloroso e difícil.

O aborto é tão contrário à ordem natural das coisas, que automaticamente induz uma sensação de culpa na mulher. Os terapeutas têm observado pavores irracionais e depressões ligadas às experiências abortivas, conjunto de sintomas a que chamam “síndrome pós-aborto” (SPA).

A terapeuta americana, Dra. Terry Selby, defende que o aborto é, antes de tudo, um procedimento físico, mas que produz um choque no sistema nervoso e provoca um impacto na personalidade da mulher. Além deste problema psicológico, cada mulher que se submeteu a um aborto terá de encarar a morte de seu filho, que não nasceu, como uma realidade social, emocional, intelectual e espiritual. Quanto maior a negação, a rejeição, maior será a dificuldade para a mulher de enfrentar a realidade da experiência abortiva, mais graves serão as reacções, e mais doloroso será o tratamento.

Nenhuma criatura é tão amada nesta terra como o bebé por parte de sua mãe; e nenhuma criatura depende tanto da outra, como um bebé depende da mãe. É a relação humana mais intensa que a humanidade conhece. A mãe está pronta até a dar a vida por ele. Aliás, até com os animais ocorre assim. Se formos brincar com os pintainhos de uma galinha, ela certamente vai defendê-los, avançando contra nós. Nem a cobra mata os seus filhotes… É lógico, portanto, que o aborto é uma grande violência para mãe, e também para o bebé.

O instinto materno é um dos mais fortes na mulher; por isso, ela jamais calará a voz da sua consciência diante da prática do aborto. Ela sabe que matou o próprio filho e sabe que Deus também sabe. Muitas mulheres que abortaram deram o testemunho de que só encontraram a paz depois que se converteram e receberam o perdão de Deus.

O papa João Paulo II dirigiu um pensamento especial para a mulher que praticou o aborto.

“Um pensamento especial quero reservá-lo para vós, mulheres que recorreram ao aborto. A Igreja está a par dos numerosos motivos que poderiam ter influído sobre a vossa decisão e não duvida que em muitos casos se tratou de uma decisão difícil, talvez traumática. Provavelmente a ferida no vosso espírito ainda não está sarada. Na realidade, aquilo que aconteceu foi e permanece profundamente injusto. Mas não vos deixeis cair no desânimo, nem percais a esperança.

Se não o fizestes ainda, abri-vos com humildade e confiança ao arrependimento: o Pai de toda a misericórdia espera para vos oferecer o seu perdão e a sua paz no sacramento da reconciliação. Dar-vos-eis conta de que nada está perdido e podereis pedir perdão também ao vosso filho que agora vive no Senhor.

Ajudadas pelo conselho e pela solidariedade de pessoas amigas e competentes, podereis contar-vos, com o vosso doloroso testemunho, entre os mais eloquentes defensores do direito de todos à vida.
Através do vosso compromisso a favor da vida, coroado eventualmente com o nascimento de novos filhos e exercido através do acolhimento e atenção a quem está mais carente de solidariedade, sereis artífices de um novo modo de olhar a vida do homem”.

Prof. Felipe Aquino – católico brasileiro, autor de livros de formação sobre a Igreja e a família.

Explore posts in the same categories: Aborto, Vida

3 Comentários em “Consequências psicológicas para a mulher que aborta”

  1. Danyllo Diz:

    É um tema bem complicado esse do aborto, muito polêmico também, cada um acha uma coisa, e sempre quem sofre é a mulher…
    Belo post o seu! Realmente não deve ser nada fácil.
    Grande abraço!

  2. Maria Dornellas Diz:

    Estes artigos são muito necessários. Deveria haver mais testemunhos de mulheres que infelizmente, por uma razão ou outra, foram levadas a cair nesse erro. Elas poderiam ensinar-nos muito.Afinal é a mulher quem sofre mais com todo este problema. Deveriam haver mais sites onde elas podessem expor os seus problemas, dúvidas, pedido de ajuda.

  3. jéssyca Diz:

    estou fasendo um trabalho da escola (um debate sobre esse assunto). Gostei muito desses pontos de vista.
    tão de párabens
    muito bom mesmo.


Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s


Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: